Primeiros corpos de acidente no interior de SP são enterrados às pressas na madrugada


ALFREDO HENRIQUE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – “Tem lugar pra por ela?”, foi perguntado à família de Ana Claudia dos Santos, à 0h54 desta quinta-feira (26), em frente ao cemitério municipal de Itaí (SP). Ela foi a primeira vítima a ser sepultada no local, onde 37 dos 41 mortos em acidente, na rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, por volta das 6h30 do dia anterior, serão enterrados.

O questionamento foi feito às dez famílias que sepultaram seus parentes na necrópole, até por volta das 4h30 desta quinta, para saber se as vítimas seriam enterradas em uma cova particular ou pública.

Amigos e familiares no Cemitério Municipal de Itaí, no interior de São Paulo, durante enterro das vítimas do acidente entre um ônibus e um caminhão que causou 41 mortes e deixou dez pessoas feridas na manhã de quarta-feira (25) na região de Avaré, também no interior de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

Uma força-tarefa abriu as 37 covas em aproximadamente oito horas de trabalho, com a ajuda de uma retroescavadeira. Isso equivale a mais do dobro de sepultamentos feitos no local normalmente por mês.

Vinte e nove corpos foram enviados para Itaí até o momento: 22 passaram ou estão em velórios, cinco são ou foram velados em casas ou igrejas e dois foram transportados para outro município.

“A Ana era uma moça feliz, trabalhadora e estava para realizar um sonho”, afirmou Ricardo Carlos Almeida, 30, primo da vítima.

Ele afirmou que Ana juntou dinheiro por 12 anos, com o intuito de investir no próprio negócio. “Este ano seria o último dela na fábrica, mas tudo foi interrompido pelo acidente”, lamentou, se referindo à indústria têxtil para onde a parente pretendia ir, no coletivo que colidiu contra um caminhão, na altura do km 171 da rodovia.

O rapaz não soube informar em qual segmento a prima pretendia começar uma nova atividade profissional.

Em menos de cinco minutos o caixão dela foi retirado da entrada do cemitério e levado para uma cova na quadra 18 da necrópole. Todas as vítimas foram enterrados às pressas, por quatro coveiros em cada uma das vezes.

Lucielen morreu no acidente – Facebook

À 1h26, o caixão com o corpo de Lucielen Firmino dos Santos, 27, chegou ao cemitério. A mãe dela, Tereza Firmino, 50, relembrou a alegria da filha, que segundo ela tinha jeito pra modelo. “Ela gostava muito de desfiles e de moda.”

A jovem trabalhou por sete anos na indústria têxtil, onde todas as vítimas que ocupavam o coletivo também prestavam serviços.

Cerca de meia hora após o sepultamento de Lucielen, Aline Fernandes de Oliveira Antunes e Vanessa Carolina Vieira dos Santos, 25, também foram rapidamente sepultadas, da mesma forma que Márcio Lima de Freitas, às 2h15.
Claudinei Carlos Barboza e Leandro Máximo Pereira foram sepultados, respectivamente, às 3h49 e 3h52.

Barboza trabalhou sete anos na indústria têxtil, mesmo tempo em que juntou os panos com Margarete Aparecida dos Santos, 39. “Ele gostava muito de pescar, era uma pessoa divertida, de riso fácil. As crianças adoravam ele”, afirmou a viúva.

Ela acrescentou que o companheiro reclamava sobre a suposta alta velocidade e imprudência do motorista que guiava o ônibus que se envolveu no acidente.

Já era possível ouvir galos cantando e os primeiros cantos de pássaros quando chegaram os caixões de Valquíria de Oliveira Cruz, Rosana Rodrigues de Oliveira e de Tiago Aparecido Aulfs, 25 anos.

Além de trabalhar na fábrica têxtil, Aulfs também era técnico do time e futebol de várzea Unidos do Capitão. “Ele era uma pessoa muito trabalhadora e alegre, dedicado. Todo mundo gostava dele”, afirmou o amigo João Carlos da Rocha, 26. O time ganhou dois campeonatos da cidade, desde 2018, quando a vítima assumiu a função de técnico.

O goleiro e cunhado de Aulfs, Wesley de Souza, 24, afirmou ter conversado com o amigo uma hora antes do acidente.

“Ele acordava cedo todo dia pra trabalhar e reclamava que o motorista [do ônibus] corria e fazia curvas em alta velocidade. É uma tristeza que isso aconteceu [morte do cunhado]”, afirmou.
Aulfs foi sepultado com a bandeira do clube que defendeu sobre seu féretro.

O dia começava a raiar, por volta das 5h, e os coveiros do cemitério municipal estavam a postos para dar continuidade aos sepultamentos, que em média duraram menos de dez minutos, segundo acompanhado pelo Agora.

“Não sabemos quando iremos parar de trabalhar”, afirmou um deles, sem se identificar.



Source link