Jovem envolvida no Caso Daniel tem prisão domiciliar por tráfico de drogas revogada | Correio dos Campos



Por ter sido presa com maconha, o acordo entre Evellyn e a Justiça sobre o caso da morte do jogador foi suspenso e ela voltará a responder por fraude processual no Caso Daniel

                        <div class="single__image">
                                                                <img class="single__thumbnail" src="https://correiodoscampos.com.br/wp-content/uploads/2021/01/caso-daniel-trafico-drogas-828x600-1-828x472.jpg"/>

                            <p>
                                (Foto: Reprodução/RIC Record TV)                                
                        </div>

                        <div>

                            Evellyn Brisolla Perusso, envolvida no Caso Daniel, teve sua prisão domiciliar por tráfico de drogas revogada nesta quinta-feira (14) e poderá responder pelo crime em liberdade, sem o uso de tornozeleira eletrônica.

A jovem foi presa após ser flagrada no dia 6 de agosto de 2020 com três quilos de maconha na bolsa bairro Fazendinha, em Curitiba.

De acordo com o advogado de defesa Luis Roberto Zagonel, Evellyn será interrogada sobre o crime de tráfico de drogas no dia 20 de maio.

Caso Daniel

O advogado ainda explicou que a denúncia de Evellyn por fraude processual no Caso Daniel havia sido suspensa depois de um acordo com a Justiça. No entanto, pelo fato da jovem ter se envolvido em um novo processo, no caso de tráfico de drogas, a suspensão foi revogada e ela voltou a responder pelo crime.

Evellyn chegou a se tornar ré no Caso Daniel pelos crimes de denunciação caluniosa, corrupção de menor, falso testemunho e fraude processual. Mas acabou absolvida dos três primeiros no decorrer do processo.

“Com relação a um possível impacto que esse processo pode ter ocasionado no Caso Daniel. De quatro imputações delitivas, a Evellyn foi absolvida ou impronunciada de três, ficando tão somente a imputação pelo crime de fraude processual. Desta forma, a defesa requereu, por ser de direito, a suspensão condicional do processo para a Evellyn naquela oportunidade. É um acordo que o estado faz com com a pessoa que está sendo acusada depois de cumpridas certas condições, o processo então acabaria com relação a ela. Contudo, a partir do momento em que houve uma outra denúncia por um outro fato, acabou que ocorreu a revogação daquela suspensão condicional do processo. Então, o processo do Caso Daniel terá a sua continuidade tão somente a fraude processual”, disse Zagonel.

Fonte: Ricmais

                    </div>

FONTE:

Link Fonte
Autor: Correio dos Campos
Dominio fonte: correiodoscampos.com.br
2021-01-14 17:09:54
Data – 2021-01-14 17:09:54