COM ASSESSORIAS – “Meu pai foi um exemplo de honestidade, comprometimento, amor e respeito. Sempre nos encorajando e ensinando a buscar o melhor, da maneira correta. Uma coisa que nunca esqueço é que, quando passávamos por alguma dificuldade, nos dizia que tudo daria certo, que logo as coisas se ajeirariam. E, se alguém nos fizesse o mal, deveríamos sempre pagar com o bem”.

Assim, Alessandra definiu o pai, Manoel Pascoalino Soares Filho, o “Páscoa”, que fez história no futebol local participando da União Atlética Tibagiana (UAT) e também do Operário Ferroviário Esporte Clube, de Ponta Grossa. Páscoa está sendo homenageado com a exposição “Futebol Tibagiano”, cuja abertura aconteceu na tarde desta quarta-feira (21), no Museu Histórico Desembargador Edmundo Mercer Júnior, e que segue até o próximo dia 30 de agosto.

A homenagem a Páscoa reuniu autoridades, familiares e amigos. Estavam presentes a primeira-dama e chefe de Gabinete, Kelly Oliveira; o subprocurador Rafael Oliveira, que representou o prefeito Artur Butina (PSC); os secretários municipais de Esporte, Laercio Ledesma Aleixo; Saúde, Natasha Karyne Dutko; e Turismo, Rhamonn Rangel Cottar; a vereadora e primeira-secretária da Câmara Municipal de Tibagi, que também trabalha no Museu, Marilene Serenato, a Maninha (MDB); o diretor do Museu, Neri Aparecido Assunção; o gerente de Cultura, Scilas Oliveira, que fez o protocolo da abertura; a controladora-interna do município, Jussara Alberti; e o vereador ponta-grossense Paulo Balansin (PSD), que também é diretor da Base do Operário. Entre os familiares, estavam a viúva de Páscoa, dona Maria Ivonete, as filhas Alessandra e Patrícia, as irmãs Niucéia e Eunice, as netas Nathália Caroline, Ana Valentina e Clara Beatriz e o neto Bernardo; entre os amigos, Paulo Dutko e ex-jogadores da UAT, Luiz Carlos Ribeiro, Orlando Gomes Pedroso e Eziro Prestes.

A solenidade iniciou com a exibição do vídeo “Diamante Esporte Clube – 20 Anos” (2019), em que Páscoa aparece sendo homenageado e recebendo um troféu. Em seguida, Scilas declarou aberta a exposição. Seguiram-se as falas, a começar de uma das irmãs de Páscoa, Eunice, que pediu para que todos rezassem a oração do Pai-Nosso. “Nós sabemos que ele foi uma boa pessoa”, disse.

Em seguida, bastante emocionada, Alessandra fez um relato da história do seu pai (leia matéria abaixo). Segundo ela, Páscoa foi um dos primeiros tibagianos a participar da corrida de São Silvestre, em São Paulo (SP), juntamente com Aníbal Betim, “que é destaque no atletismo, em nossa cidade”.

Neri citou o jogador João Ricardo, o “Tibagiano”, que integra o elenco atual do Operário e que, segundo ele, foi uma indicação do próprio Páscoa. “Nós temos o João Ricardo, o primeiro tibagiano a disputar um [campeonato] brasileiro [da Série B], pelo Operário. Ele [Páscoa] mostrou para os jovens toda essa história [do futebol local]”, disse.

A solenidade seguiu com a entrega, pela vereadora Maninha, de um vaso de flor à viúva de Páscoa, Maria Ivonete. “Onde ele estiver, vai ficar feliz em saber que você está superando tudo isso. Deus abençoe você”, afirmou Maninha.

Paulo Balansin lembrou da sua amizade com Páscoa, que foi cozinheiro do Operário. “Eu sou diretor do clube há 32 anos, e o Seu Páscoa era mais torcedor que eu. Ele amava o Operário, amava Tibagi”, disse. “Nunca deixou alguém sem comer. No Operário, tem dias em que comem 200 pessoas. Eu nunca vi na vida ele negar um prato de comida pra ninguém”, contou.

“Queria, primeiramente, parabenizar a equipe do Museu, o Scilas, o Neri, que fizeram essa importante mostra, como já fizeram outras. Acho que a iniciativa dessas exposições rotativas é muito interessante”, disse Rafael Oliveira. “Quero estender meus sentimentos à família. Não tive a oportunidade de conhecê-lo. Mas, pelas histórias que eu ouço, [Páscoa] foi mais uma personalidade importante que Tibagi exportou. Onde a gente anda, por aí, volta e meia conhece pessoas com grandes feitos e que são tibagianas”, continuou. “Com o Manoel não foi diferente. [Ele] levou o nome de Tibagi, do esporte tibagiano, para fora das fronteiras do município. Tenho certeza de que foi uma excelente pessoa, tanto no campo familiar quanto no campo profissional, e, sem dúvida, como membro da sociedade”, finalizou, sugerindo a Neri que, apesar de se tratar de uma “exposição rotativa”, reserve um espaço no Museu para que ela se torne um “espaço fixo”.

Em seguida, Paulo Balansin fez a entrega ao Museu de uma camisa oficial do Operário, autografada por funcionários e jogadores do time. Depois, Patrícia, também filha de Páscoa, fez um agradecimento especial pela homenagem ao pai. “Com certeza, essas palavras serão guardadas em nossos corações”, disse.

***

(box)

Tibagiano, corintiano e operariano

Conforme o relato da filha Alessandra, lido durante a abertura da exposição “Futebol Tibagiano”, no Museu Histórico Desembargador Edmundo Mercer Júnior, na tarde de quarta-feira (21), Manoel Pascoalino Soares Filho, o Páscoa, nasceu em Tibagi em 16 de maio de 1950. Filho de Manoel Pascoalino Soares e Maria da Luz Souza, Páscoa casou-se com Maria Ivonete, a “Sarica”, em 3 de julho de 1976. Além de Alessandra, os outros filhos do casal são Patrícia e Ulysses. Os onze netos são Cleferson, Nathália Caroline, Vitória, Ana Valentina, Lucas, Letícia, Clara Beatriz, Fernanda, Henrique, Bernardo e Isabely.

Páscoa foi apelido dado pelos amigos. Em casa, ele era chamado pelo segundo nome, Pascoalino, e também de Maninho, pelos irmãos Maria José, Carlos de Fátima, Regina, José Reinaldo, Eunice, Dionísio, João Marcos, Ana Eliete e Niucéia.

“Filho de família humilde e trabalhadora”, Páscoa começou a vender alface aos 10 anos “para ajudar na renda”. Foi vaqueiro, sapateiro “com seu pai” e “ajudou na construção da antiga Batavo” como servente de pedreiro. Também trabalhou na Sacaria da Unidade II da Frísia Cooperativa Agroindustrial (antiga Cooperativa Mista). “Foi funcionário público no cargo de educador social, no qual se aposentou, [e] foi, também, suplente de delegado por várias vezes. Nas horas vagas, fazia o que mais gostava: cozinhava e assava em eventos”, contou Alessandra, citando suas especialidades: costela de chão, carneiro no buraco, arroz-carreiteiro, feijoada, “leitão assado, desossado e recheado” e espetinho.

Incentivador

Alessandra contou que seu pai “era um grande incentivador do esporte”. Participou de vários campeonatos de futebol como jogador e técnico, além de corrida rústica, em Tibagi e outras cidades. “Os meninos da Escola Rural não perdiam a oportunidade de participar desses eventos, pois sempre os levava com alegria”, relatou.

“Mas não era somente no esporte que gostava de participar”, disse Alessandra, lembrando que seu pai integrou o coral da igreja Nossa Senhora dos Remédios. “Até atuou como personagem de Barrabás, em uma encenação da Paixão de Cristo”, afirmou. Em pelo menos duas vezes ao ano, Páscoa tinha um “compromisso” com a pescaria. “Os amigos Teca e Celio, entre outros, os convidavam, [e] ele amava isso. Pois, além de fazer o que mais gostava, que era cozinhar, também tentava pegar alguns peixes. E nós ficávamos esperando os doces, defumados que trazia para cada filho. Sempre antes dessas viagens, fazia vários almoços em família para que os filhos provassem os pratos que ele iria preparar lá”, contou Alessandra.

Funcionário público estadual, foi em 2001 que Páscoa foi transferido para Ponta Grossa “para trabalhar numa casa de semiliberdade (Centro de Socioeducação Regional, Cense)”. Foi quando começou a frequentar o Operário Ferroviário Esporte Clube. Convidado pelo amigo Alberto Verhagen, o Professor Albertinho, Páscoa começou a jogar com os veteranos “e [a] fazer eventos”. Alessandra contou que, em 2012, seu pai fez parte da diretoria do clube. E, alguns anos depois, após a aposentadoria pelo estado, Páscoa começou a integrar o quadro de funcionários do Operário, até o seu falecimento, em 15 de maio deste ano, por complicações da Covid-19.

Alessandra concluiu o relato lembrando que Páscoa foi “um corintiano e torcedor assíduo do Fantasma [apelido histórico do Operário], profissional exemplar, esposo cuidadoso e um pai amoroso”. “Tenho muito orgulho em ser chamada [de] ‘a filha do Páscoa’”, disse. “Em nome da minha família, quero agradecer a presença de todos por essa homenagem, principalmente ao amigo Neri, [pelo] qual o pai tinha muita admiração. Que Deus abençoe a cada um”, finalizou.

FONTE:

Link Fonte
Autor: Correio dos Campos
Dominio fonte: correiodoscampos.com.br
2021-07-22 10:40:36
Data – 2021-07-22 10:40:36

[BL]MP3, iPod, celulares, notebooks, cameras [/BL]

Compare Preços de: MP3, iPod, celulares, notebooks, cameras no Buscapé.

Compartilhar