Zhang, uma ex-advogada que se tornou ativista, viajou para Wuhan em fevereiro, onde filmou hospitais, bairros e centros comunitários lotados. Seus relatórios críticos acusando o governo de suprimir as vozes dos cidadãos comuns e de não informar os moradores sobre a realidade da situação contrastavam com a cobertura otimista da mídia estatal, uma das poucas fontes de informação. Zhang foi detida em maio.
“(Ela) parecia muito abatida quando a sentença foi anunciada”, declarou à AFP um de seus advogados, Ren Quanniu, que expressou “muita preocupação” com o estado psicológico da cliente. “Quando a vi na semana passada, ela afirmou: ‘Se receber uma sentença pesada, vou recusar qualquer alimento até o fim’. Ela acredita que vai morrer na prisão”, explicou à AFP outro advogado de defesa, Zhang Keke.

As autoridades chinesas costumam realizar julgamentos delicados envolvendo ativistas de direitos humanos durante a temporada de férias, quando grande parte do resto do mundo está distraída. Os procedimentos, anunciados com pouca antecedência, são quase sempre mantidos em segredo.

Em outro caso, 10 dos chamados “12 de manifestantes de Hong Kong” pegos no mar enquanto tentavam fugir da repressão em sua cidade foram julgados na cidade chinesa de Shenzhen na segunda-feira. Durante os procedimentos de Zhang na segunda-feira, a ativista teve a chance de falar. “O governo não deve censurar o discurso de seus cidadãos”, disse ela, de acordo com seu advogado, Zhang Keke.

Grupos de direitos humanos e amigos de Zhang estão preocupados com sua saúde sob custódia. Em greve de fome desde junho, ela foi alimentada à força por meio de um tubo e colocada sob controle. Ela se comprometeu a continuar sua greve de fome, segundo seu advogado, apesar dos apelos de familiares e amigos. Os defensores dizem que ela foi tratada com mais severidade por se recusar a cooperar ou admitir sua culpa.

Primeira jornalista condenada à prisão pelas informações sobre Wuhan

Zhang é uma das várias jornalistas cidadãs detidas por fazer reportagens sobre Wuhan, mas a primeira a ser condenada à prisão Seu veredito surge antes de uma missão à China liderada pela Organização Mundial da Saúde para investigar as origens do vírus, um tópico politicamente tenso, já que o governo Trump e outros críticos dizem que Pequim deve assumir a responsabilidade pela pandemia que já atingiu mais de 1,7 milhão de vidas.

“Isso mostra que nunca saberemos a verdade sobre a pandemia”, disse Leo Lan, um consultor de pesquisa e advocacia da Chinese Human Rights Defenders. “A sentença de Zhang Zhan terá um efeito dissuasor de silenciar outras pessoas que testemunharam o que aconteceu em Wuhan no início deste ano”.

Do lado de fora do Tribunal Popular do Novo Distrito de Shanghai Pudong, onde Zhang foi julgada, a polícia empurrou repórteres e simpatizantes para longe do prédio, prendendo pelo menos nove pessoas. Nas redes sociais, ativistas postaram fotos de Zhang e cartazes com os dizeres: “Zhang Zhan inocente”, conclamando a comunidade internacional a prestar atenção em seu caso.

“O manejo de Wuhan é muito sensível. Muitas pessoas na China ainda estão muito irritadas com o encobrimento inicial e a minimização do incidente”, disse Yaqiu Wang, pesquisadora da Human Rights Watch para a China.

Oposição também sofre em Hong Kong

Separadamente, um aviso divulgado na segunda-feira pelo Tribunal Popular do distrito de Yantian, em Shenzhen, disse que uma audiência para os opositores de Hong Kong ocorreu naquela tarde. O tribunal vai escolher uma data futura para anunciar sua decisão.

Um grupo de 12 pessoas foi capturado em águas chinesas em agosto enquanto tentava escapar para Taiwan de lancha após a introdução de uma lei de segurança nacional em sua cidade. Oito membros do grupo foram acusados ??de cruzar ilegalmente a fronteira com a China, enquanto dois foram acusados ??de organizar a violação da fronteira. Dois menores do grupo serão julgados em audiência separada.

Barricadas cercaram o tribunal de Shenzhen na segunda-feira, onde diplomatas estrangeiros dos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Portugal e outros países foram impedidos de entrar.

Antes do julgamento, a Embaixada dos Estados Unidos na China pediu a libertação dos detidos. “O chamado ‘crime’ deles era fugir da tirania. A China comunista nada parará para impedir seu povo de buscar liberdade em outro lugar”, disse a embaixada em um comunicado.

Defensores dos direitos humanos e advogados alertaram que os detidos em Hong Kong, com idades entre 16 e 33 anos, mantidos incomunicáveis em Shenzhen nos últimos quatro meses, correm o risco de ser torturados e condenados no politizado sistema de justiça da China.

Os parentes dos detidos consideraram a audiência um “julgamento secreto”. Embora a notificação do tribunal de Shenzhen indicasse que legisladores, jornalistas e parentes compareceram ao julgamento, familiares disseram que tiveram o acesso negado. Repórteres estrangeiros também foram barrados.

“Os procedimentos judiciais injustos (são) evidências de uma perseguição política draconiana óbvia”, disseram as famílias em um comunicado na segunda. “As famílias dos 12 têm passado por uma grande agonia durante a detenção. Eles agora estão apenas pedindo pela segurança de seus filhos e por seu retorno a Hong Kong.”

Ativistas em Hong Kong acusaram o tribunal chinês de atrasar a sentença para manter os 12 sob custódia por mais tempo. Em uma entrevista coletiva, alguns parentes pediram sentença imediata para que pudessem viajar para a China para ver seus parentes detidos. “Quero ver meu filho o mais rápido possível”, disse a mãe de Wong Wai-yin, um dos réus. “Eu só quero vê-lo.” COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS



Source link

FONTE:

Link Fonte
Autor: Estadão Conteúdo
Dominio fonte: www.bandab.com.br
2020-12-28 11:52:46
Data – 2020-12-28 11:52:46

[BL]DVD, MP3, LCD, Plasma, HDTV, Home Theater [/BL]

Compare Preços de: DVD, MP3, LCD, Plasma, HDTV, Home Theater no Buscapé.

Compartilhar