Após sete anos, força-tarefa da Lava Jato deixa de existir no PR


Depois de sete anos, a força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná deixou de existir. Desde segunda-feira (1), alguns dos integrantes foram realocados para o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Federal (MPF).

Em dezembro de 2020, o procurador-geral da República, Augusto Aras, já havia iniciado a transição que colocava um fim das forças-tarefas no Paraná e também no Rio de Janeiro, por não concordar que grupos de procuradores ficassem dedicados exclusivamente a uma operação.

Em portaria assinada no dia 7 de dezembro, a Procuradoria-Geral da República integrou, ao grupo de cinco membros do Gaeco, outros quatro procuradores do Paraná ex-integrantes da força-tarefa, com mandatos até agosto de 2022.

Assim, o Gaeco passou a contar com nove membros, sendo que cinco deles, conforme o MPF, devem se dedicar aos casos que compunham o acervo da Força-Tarefa Lava Jato, estando quatro desses membros desonerados das atividades dos seus ofícios de origem.

Segundo o Ministério Público Federal, outros dez membros permanecem designados para atuação em casos específicos ou de forma eventual até 1º de outubro de 2021, sem integrar o Gaeco e sem dedicação exclusiva ao caso, trabalhando a partir das lotações de origem.

Em setembro do ano passado, o procurador da República, Deltan Dallagnol, um dos principais nomes nas investigações da Lava Jato, anunciou a saída da coordenação da força-tarefa no Paraná. Na ocasião, ele afirmou que a decisão do afastamento aconteceu por questões de saúde na família.

De acordo com o MPF, no período em que a força-tarefa existiu, foram cumpridas 79 fases da operação Lava Jato, com 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de temporária. Além disso, durante as fases, foram colhidos materiais e provas que embasaram 130 denúncias contra 533 acusados, gerando 278 condenações.

Além disso, conforme os dados da força-tarefa, mais de R$ 4,3 bilhões já foram devolvidos por meio de 209 acordos de colaboração e 17 acordos de leniência, nos quais se ajustou a devolução de quase R$ 15 bilhões. Do valor recuperado, R$ 3 bilhões foram destinados à Petrobras, R$ 416,5 milhões aos cofres da União e R$ 59 milhões foram transferidos para a 11ª Vara da Seção Judiciária de Goiás.

Repórter William Bittar

FONTE:

Link Fonte
Autor: CBN
Dominio fonte: cbncuritiba.com
2021-02-03 11:43:01
Data – 2021-02-03 11:43:01